Viagem de Esperança neste Mar que é a Vida

Frase Uma estrela vive para sempre nas nossa memórias e nos nossos corações!

“Marinheiros de Esperança”

Retrato de Fernão de Magalhães

Mapa com a rota de Fernão de Magalhães
Os nossos alunos embarcaram com os Marinheiros da Esperança, um projeto que envolve  Pediatrias do Serviço Nacional de Saúde de todo o país, e viajaram com Fernão de Magalhães na sua viagem de Circum navegação.

Aqui ficam dois dos trabalhos já realizados, esperemos que outros alunos embarquem connosco também.

Aguarela com nau de Fernão de Magalhães e mar

Desenho a lápis de Fernão de Magalhães com caravela atrás

Academia de Código

Iniciámos as atividades com a equipa da Academia de Código.

Alunos, professores e animadores da Academia

Viajámos pela evolução da tecnologia e pelo modo como ela influencia a nossa vida diária. Muito interessados e empenhados, os nossos internautas realizaram atividades interativas bem divertidas.

Alunos a utilizar tablets

Alunos a utilizar tablets

Muito obrigada, Sofia e Diogo, por nos terem proporcionado esta viagem pelo mundo tecnológico!

O Baloiço das Emoções

Neste período tivemos a oportunidade de realizar mais uma teleaula com o Clube de Tecnologia da Escola Básica Integrada da Bobadela, em que os nossos alunos  construíram um baloiço das emoções provocando um campo magnético.

Alunos da Bobadela no ecrã da escolinha

A elaboração do baloiço exigiu muita concentração, minúcia, arte e paciência dos nossos alunos na montagem do kit fornecido pelos nossos amigos.

Alunos e professora a construirem o baloiço

Com grande incentivo por parte dos alunos do Clube e seguindo à risca as indicações dadas, fomos ultrapassando as  dificuldades que foram surgindo e o resultado final valeu a pena.

Alunos e professora a construirem o baloiço e baloiço já construído

Baloiço construído

Obrigada a todos, professores e alunos do CT da Bobadela!

Estamos de Parabéns!

Imagem da Biblioteca da Escola com texto Páscoa Feliz

 

Comunicar em todo o lado

A Adelaide Palet do Forte São Jorge de Oitavos, Bairro dos Museus, (ou seja, o comandante Tadeu) voltou a visitar-nos, desta feita, acompanhada por um soldado muito tosco e por um canhão e seus apetrechos . Quando o comandante Tadeu grita “Fogo!”, o soldado Baltazar, sempre cheio de medo, coloca o bota-fogo que faz disparar a bala!

Através de uma réplica das várias peças que constituem um canhão, aprendemos como era disparado este engenho no século XVIII!

Por fim, jogámos um jogo divertido que se chamava Apontar – Disparar em que tentámos afundar os barcos piratas sem atingir os navios amigos.

Colocado no chão da sala, encontra-se uma réplica de um canhão e no quadro interativo está uma fotografia de vários tipos de canhões.

Alguns apetrechos do canhão: balas, cordas, pólvora.

Pormenor das fardas dos soldados.

O soldado Baltazar arrasta o canhão mas sem jeito nenhum.

Os alunos atiram uns sacos cheios de areia para um painel onde se encontram navios de piratas.

E como a comunicação existe na guerra e na paz, comemorámos a semana dos afetos com a leitura do livro Vem e abraça-me, de Michal Snunit, edição Vega, e com a realização do jogo interativo Quem abraça quem ou o que abraça o quê. Por exemplo, a montanha abraça o rio, o sol abraça o arco-íris, a mãe abraça o filho, a borboleta abraça a flor…
Percebemos que a linguagem do abraço é infinita, que cada abraço é único e que podemos e devemos recusar os abraços que não queremos.

A professora faz a leitura do livro e os alunos interagem com ela.

O livro em cima da prancheta da cadeira de um aluno.

Num quadro branco, encontram-se vários quadrados com desenhos semelhantes aos do livro e um aluno retira um deles.

Um aluno a fazer pares de abraços com os quadrados escolhidos.

A mediadora cultural do Museu do Mar Rei Dom Carlos, Eugénia Alves, visitou-nos para dar a conhecer este espaço museológico, situado em Cascais.
Com base na exposição temporária patente ao público nesta data, Alterações climáticas – Os Oceanos do futuro, falámos sobre as alterações climáticas e algumas das suas consequências, assim como sobre a importância dos oceanos e da fauna e flora que os habitam.

No ateliê que se seguiu, criámos uma espécie de aquário de brincar para que, sempre que tivermos saudades do mar, possamos trazê-lo até nós.

Uma sala cheia de alunos atentos à Eugénia a falar sobre os vários assuntos.

No quadro interativo encontra-se um diapositivo com tartarugas marinhas a alimentarem-se de objetos em plástico que confudem com os alimentos que fazem parte da sua alimentação.

No quadro interativo encontram-se oito conselhos que devemos pôr em prática no nosso quotidiano.

Dois aquários feitos pelos alunos: frascos em vidro cheios de líquido verde e azul, com areia no fundo e bonecos que representam peixes a nadar.

Um fevereiro muito animado!!!

No âmbito do projeto À descoberta da Mitologia tivemos  uma sessão que versou as metamorfoses. As atividades desenvolvidas neste dia foram muito interessantes e, como sempre, os alunos aderiram  com entusiasmo a este projeto.

Alunos e computador

Ainda neste âmbito, em parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian, os nossos alunos tiveram oportunidade de participar no espetáculo  Mitomóvel, no pavilhão Lions.  A artista Vera Alvelos contou-nos quatro mitos: Dibutada e Polemon, Deméter e Perséfone, Europa e Narciso. Estes mitos fizeram a delícia das crianças e jovens e dos seus  pais.

Vera Alvelos ajoelhada no chão com um animal branco na mão

Vera Alvelos na sala Lions

Através do projeto Academia Código Júnior, os nossos alunos continuaram a explorar o mundo da programação com uma equipa muito disponível  e simpática.

Equipa da Academia do Código - dois jovens ladeiam duas jovens

A visita do Dr. Tiago Vieira, do Museu da Água, trouxe aos nossos alunos a oportunidade de explorar o ciclo da água através da visualização de uma apresentação e de um filme. No final, os nossos alunos construíram um puzzle.

Dr. Tiago Vieira e alunos a ver apresentação no computador

Puzzle do Ciclo da Água

Em parceria com a Educadora Maria Miranda dinamizámos o Carnaval no Serviço de Pediatria. Neste projeto, como é habitual,  escolhemos um tema, pesquisámos sobre o mesmo e confecionámos os fatos para os vários profissionais.  O tema escolhido, como pode ver-se nas fotos, foi os Pinguins.

Composição fotográfica com alunos, professoras, educadoras ,etc vestidos de pinguins

A diversidade na/da comunicação

A escola do HSM saiu do hospital e foi a duas escolas de Salvaterra de Magos falar do trabalho que se faz numa escola de hospital.

Professora Sara fala para plateia de alunos

Professora Sara com agentes da Escola Segura e professora mostra postais

E viemos de lá mais ricos 🙂 com os postais enviados para os nossos alunos.

Aluno do Hospital vê postais entregues

Mão de aluno com cateter e postal

A Evelina e a Ana do Pavilhão do Conhecimento, trouxeram-nos elementos da natureza dos quais extraímos pigmentos de várias cores para “fabricar” tintas. Juntámos água, pegámos nos pincéis e pintámos em telas de tecido. Adorámos a experiência e as pinturas ficaram espetaculares!

Animadoras do Pavilhão do Conhecimento com alunos do Hospital

Mãos de aluna a coar pasta vegetal verde

Mãos de aluno a misturar água em pasta azul

Almofariz com pasta e corante roxo

Alunos pintam com as tintas fabricadas

Mãos de aluno com pincel e dois quadros pintados com as tintas fabricadas

Quador pintado com as tintas fabricadas

Quadro pintado com as tintas fabricadas

Também tivemos a visita virtual da nossa amiga Evelina em que falámos sobre circuitos elétricos e construímos postais pop-up com sapos de sorrisos luminosos!

Evelina (videoconferência), professora Sara a mostra um sapo em cartão e alunos

Alkuna com led verde, componentes electrónicos e postal quase pronto

Alunos colam fita de cobre no postal

Sapo de papel com a boca aberta iluminada

O professor Paulo Torcato trouxe-nos dois robots e estivemos a “ensiná-los” a fazer várias habilidades!

Professor Paulo Torcato, robot e alunos

Alunos programam em tablet

Professoras Diana e Sara, robots e alunos

Comunicar em Segurança

Uma ilustre visita

No passado dia 31 de janeiro tivemos a honra de receber no nosso Hospital e na Sala de Apoio do 2º/3º Ciclo e Secundário a Primeira Dama da República da Bulgária que nos quis conhecer e quis conhecer o nosso projeto.

Depois de ouvir atentamente a apresentação do trabalho realizado, elogiou a iniciativa e despediu-se agradecendo de forma muito gentil, aos alunos e professoras, a receção.

Primeira Dama da República da Bulgária com professora Dulce na escolinha

Projeto Líderes Digitais – SeguraNet

No âmbito do projeto Lideres Digitais -SeguraNet, assinalámos no dia 5 de fevereiro o Dia da Internet Mais Segura, com várias iniciativas:

Colocámos um cartaz na porta da nossa sala, assinalando este dia . A decoração da porta tem tido sucesso quer entre os  jovens, quer entre adultos. Várias vezes encontrámos uns e outros comentando a informação afixada sobre esta temática da Segurança na Net.

A porta da escolinha com cartazes sobre segurança na internet A porta da escolinha com cartazes sobre segurança na internet

Realizámos uma videoconferência com a escola do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão. Esta ligação proporcionou  o reencontrar de  antigos  amigos, visualizar pequenos vídeos e  jogar de forma amigável e construtiva, testando conhecimentos sobre os cuidados a ter sempre que navegamos na Internet, nomeadamente descobrindo como nos devemos defender de predadores, do cyberbullying, das fake news, de como devemos  proteger os nosso dados e de não cairmos na ciberdependência, entre outros.

Videoconferência sobre o dia da Internet Mais Segura 2019 Videoconferência sobre o dia da Internet Mais Segura 2019

Ainda nessa semana, os nossos lideres digitais Lourenço, Lee e Manuel realizaram duas sessões aqui no  Hospital Dona Estefânia , onde voltaram a abordar os temas mencionados anteriormente. Uma sessão foi para os colegas da Sala de Apoio do 2º/3º Ciclo e Secundário, que não puderam estar presentes no dia da videoconferência, e outra para os colegas do 1º ciclo, na respetiva sala. Nestas sessões participaram ainda alguns Encarregados de Educação e as professoras do 1ºciclo.

Líderes Digitais e alunos a assistir Líderes Digitais e alunos e pais a assistirLíderes Digitais e alunos a assistirLíderes Digitais e alunos a assistir

 

 

 

 

Os nossos lideres conseguiram brilhantemente cativar ambas as plateias e fazer a delícia de todos, ajudando a construir um “quantos queres” que focava a utilização segura e responsável da internet.

Criação de um Quantos Queres pelos alunos

Estão de Parabéns os nossos  Lideres Digitais!

Dia Europeu do 112

Sabiam que este dia é assinalado no dia 11-2 (112)?

Boneco que fala da importância de usar o 112 quando precisamos

Os agentes Vasconcelos e Fabiana da 1ª Divisão  da PSP de Lisboa  estiveram connosco numa ação de sensibilização para a importância do número 112 e para a correta utilização do mesmo.

Polícias falam do 112

 

 

 

 

Polícias falam do 112

Não esqueçam…

Slide que diz que devemos ligar 112 para chamar ambulância, polícia ou bombeiros quando precisamos

Projeto Museu visita o Hospital – MNAA

Recebemos a visita da Rita Gonçalves do Museu Nacional de Arte Antiga, que nos trouxe o Prontos para a Festa.

Slide com pintura de um banquete medieval

Com ela, viajámos ao longo do tempo, desde as festas nos castelos até às festas nos palácios. Percorremos, através da observação de pinturas, algumas com mais de 600 anos, aspetos como a moda, a alimentação e objetos da vida diária, entre outros.

Alunos na apresentação

Alunos e animadora na apresentação

Os protagonistas principais foram o sal e os diferentes e majestosos saleiros e, num período posterior, o açúcar transportado na forma de pão de açúcar e os igualmente majestosos açucareiros.

As bebidas que não podiam faltar num banquete de pessoas ricas e abastadas eram o chá, o chocolate e o café.

Observámos imagens do serviço de mesa real em prata, com mais de 300 objetos, encomendado pelo rei D. João V e que está no nosso MNAA. Dele fazem parte três objetos muito importantes que queremos aqui destacar: uma chaleira, uma chocolateira e uma cafeteira.

Depois dos banquetes, a mesa era enfeitada com figurinhas de dançarinos em ouro que indicavam aos convidados que após o banquete seguir-se-ia o baile.

Quatro figurinhas de ouro

Agradecemos à Rita ter-nos proporcionado esta viagem de costumes ao longo do tempo!

Festa das Línguas – La Chandeleur e Valentine’s Day

Pois é, aproveitámos o assinalar destes dois dias numa grande Festa das Línguas.

Comida e corações e flores de papel

Comemorámos no dia 14 de fevereiro, em simultâneo, La Chandeleur, que se comemora no dia 2 de fevereiro e o St. Valentine’s Day, que se comemora no dia 14 de fevereiro, e fizemos “um dois em um”!

Alunos e professoras com mesa posta

Os nossos alunos fizeram os crepes, seguindo uma receita em francês e receberam mensagens de amor em inglês.

Alunos a cozinhar

Alunos a cozinhar

Professora serve a doçaria

Comemorámos o amor com uma fonte de chocolate que fez a delícia de todos!

Fonte de chocolate com morangos e ananás

Mas o mais importante da nossa festa foi o convívio e o sentimento de partilha vivido por todos!

São servidos?!!!

Vamos lá comunicar!

O livro fechado e vários cartões brancos com um círculo vermelho de texturas diferentes. Tesoura e compasso em cima da secretária.

Para fazer jus ao tema escolhido pelas escolas de hospital parceiras do projeto TeleAula, Comunicar é preciso, desenvolveu-se uma atividade que teve como principal objetivo proporcionar a aquisição de conhecimentos ao nível da comunicação visual.

A partir da leitura da obra Este livro está a chamar-te, não ouves?, de Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso, os alunos puderam ouvir, cheirar, tocar, caminhar as paisagens de um livro de cantos redondos e, ainda, seguir um círculo vermelho que pode ser tudo o que a nossa imaginação quiser.

Os alunos mais velhos puderam recordar os conceitos de polissemia, poesia visual, significado e significante. Todos construíram os seus círculos vermelhos atribuindo-lhes outros significados que foram muito além de uma simples maçã.

No final, houve tempo para degustar uns macarrons de morango, bem redondinhos e docinhos!

O livro aberto numa ilustração com muitos círculos vermelhos, um estojo de aguarelas coloridas e três folhas em branco

O livro fechado e vários cartões brancos com um círculo vermelho de texturas diferentes

A mão de uma aluna em cima de uma página com um trajeto de círculos vermelhos e azuis

A mão de outra aluna a preencher um espaço de círculos de uma página do livro

Os dedos de uma aluna sobre um percurso de círculos vermelhos que conduzem a uma lagarta.

Uma aluna escolhe um de vários cartões com círculos vermelhos com diferentes texturas

Uma aluna cola um círculo vermelho num cartão branco

Trabalho sobre pontos vermelhos: tomate, nariz de palhaço, joaninhas, romã, semáforo, balões, bola, flores, planeta mercúrio

Trabalho final com desenhos elaborados a partir de um círculo vermelho: Minie, sol, cogumelo, novelo de lã, maçã, sorvete, porco.

Os macarrons de morango em cima de um pano com círculos vermelhos.

Comemorámos, no dia 5 de fevereiro, o Dia da Internet Mais Segura, com uma videoconferência entre a nossa escola e a escola do Hospital Dona Estefânia.
À volta de um jogo amigável entre colegas, conversámos e testámos os nossos conhecimentos sobre os cuidados a ter sempre que utilizamos a Internet, alguns dos perigos que nos espreitam e o que devemos fazer para nos defendermos de predadores, bullying e outros ataques.

Quatro jovens encontram-se à frente do quadro interativo onde está escrito Dia da internet mais segura.

Recebemos a visita da mediadora cultural do Bairro dos Museus, Adelaide Palet, que nos apresentou o comandante Tadeu, residente no Forte São Jorge de Oitavos.

Este comandante severo e com ar de poucos amigos explicou-nos como viviam os soldados do Forte no séc. XVIII, como ocupavam o seu tempo, os trabalhos que faziam, o que vestiam e o que comiam. Desvendou ainda alguns dos seus segredos bem guardados no baú.

A sala repleta de jovens e pais esperam pela chegada do comandante.

O comandante faz uma espécie de continência, mas parece observar o mar ao longe.

O comandante lê uma folha com as provisões para o forte.
Ler/escutar a narrativa da obra literária Sexta-feira ou a vida selvagem, de Michel Tournier, será sempre uma experiência gratificante de leitura.
Mais gratificante se torna quando oferecemos aos alunos a possibilidade de experienciar objetos e modos de vida decorrentes da história narrada.
Deixamos um breve registo de alguns destes momentos de grande partilha e aprendizagem.

A professora lê uma história a um aluno por entre umas árvores de papel.

Uma mesa onde encontramos um livro aberto num cavalete, canetas antigas, um óculo, bússola e tinteiros.

Uma aluna olha pela janela através de um óculo antigo.

Uma aluna escreve com uma caneta antiga de pena e aparo.

Um aluno aponta para a palavra Speranza, o nome da ilha de Robinson

As nossas parcerias… de anos!

As nossas parcerias…

Neste post queremos salientar a importância de estabelecer parcerias duráveis com entidades externas que nos podem ajudar a desenvolver competências transversais nos nossos alunos, tanto na ciência e tecnologia como na arte e na cultura.

Ao longo destes anos, temos desenvolvido parcerias muito produtivas com a <Academia de Código_> e com a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Os colaboradores de ambos os projetos têm conseguido adaptar as atividades planeadas ao nosso contexto específico. Sempre com simpatia e responsabilidade, têm desenvolvido um trabalho excecional, de continuidade e de proximidade com os alunos.

<Academia de Código_>

Segundo os autores do projeto, a <Academia de Código_> nasceu com a missão social  de preparar as crianças para uma sociedade digital através do ensino das ciências da computação.

Assumem que pretendem contribuir para que Portugal esteja na vanguarda no que respeita ao desenvolvimento do pensamento computacional e ao ensino da programação aos mais jovens.

Por isso, é com muito agrado que a Escola do Serviço de Pediatria acolhe este projeto. Os colaboradores da <Academia de Código_> conseguem sempre preparar atividades de forma a incluir todos os nossos alunos.  Ao longo das atividades desenvolvidas, os alunos demonstram empenho e interesse, ficando sempre na expetativa da próxima visita.

Aluno com computador e animadores da Academia de Código Aluno com computador e animadores da Academia de Código

À descoberta da Mitologia

O projeto À descoberta da Mitologia já nos acompanha há vários anos e tem sido muito acarinhado pelos nossos alunos.

Através deste projeto, tem sido possível conhecer aspetos da  cultura grega e romana de uma forma lúdica e divertida. As histórias da mitologia que são contadas e analisadas nestas sessões permitem-nos viajar na História ao mesmo tempo que, de uma forma simples, nos elucidam acerca de alguns aspetos da nossa própria cultura ocidental.

Professores responsáveis pelo Projeto Mitologia

A aprender a comunicar

A Carla e a Ana do Pavilhão do Conhecimento vieram à Escola do Departamento de Pediatria do HSM. Trouxeram-nos algas e ensinaram-nos o que podemos fazer com algumas delas e em que tipo de alimentos as podemos encontrar. Observámos alguns rótulos de alimentos e imaginem que, até no leite com chocolate, encontrámos algas! Fizemos gelatina de frutas e ficámos surpreendidos, pois percebemos que a cozinha é realmente um laboratório 🙂

Um aluno com a Carla e Ana do Pavilhão do Conhecimento e uma mesa cheia de materiais  Diferentes tipos de algas Aluno verte líquido vermelho em formas de congelação

Gelatina vermelha em forma de estrelas do mar

A Evelina do Pavilhão do Conhecimento fez uma sessão de videoconferência connosco e lançou-nos um grande desafio: o que há de comum entre o peixe cozido, a gelatina e o leite com chocolate? Nós também achámos estranha a questão mas, no final, lá percebemos tudo! E a resposta é o mar.

Alunos e professora em videoconferência     Aluno e professora retiram líquido vermelho com uma serinhaAluno espreme líquido vermelho através de um tubo para recipiente com gelo

O professor Paulo Torcato também nos visitou com o projeto O Robot Ajuda! Fizemos duas sessões de programação em Scratch. Numa ensinámos o nosso amigo sapo a fazer perguntas e a dar respostas. Noutra, ensinámo-lo a fazer um jogo e os nossos alunos divertiram-se a percorrer os labirintos.

Alunos e professor programam em Scratch Alunos e professora programam em Scratch Alunos e professores programam em Scratch Aluna e professora programam em ScratchAlunos programam em Scratch

O Tiago do Museu da Água ajudou-nos a aprofundar o nosso conhecimento sobre o Ciclo da Água. O que mais nos surpreendeu foi saber que a água que existe hoje é a mesma água que existia no tempo dos dinossauros!

Tiago, professora, alunos e pais

Alunos montam puzzle do ciclo da águaPuzzle do ciclo da água completo

A Filipa e a Matilde do Museu da Marioneta trouxeram-nos distintas marionetas oriundas de diferentes partes do mundo e com diversas formas de manipulação: marionetas de luva, de vara, de fios e de sombra. Nós criámos personagens com meias e outros materiais e as nossas marionetas ficaram bem divertidas!

Filipa, Matilde, alunos, pais e professora e teatrinho de marionetas Filipa, Matilde, alunos, professora e materiais para marionetas Marioneta de meia Marioneta de meia Aluno no teatrinho com marioneta

E assim se começa o Novo Ano

Dá que Pensar!

Durante as atividades de escrita criativa que realizámos, sugerimos alguns temas que dão que pensar: consumismo e segurança na internet foram os temas escolhidos.

Aqui fica uma pequena mostra das reflexões dos nossos alunos.

  Texto sobre consumismo com imagens e cartoons decorativos

Texto sobre segurança na internet com tira de bd

Seguranet

Iniciámos este ano a nossa participação na iniciativa Lideres Digitais – SeguraNet. Este trabalho encontra-se na fase de sensibilização para os temas propostos, nomeadamente Fake news, Sexting e Proteção de dados  e da planificação das atividades a realizar. As ideias já foram surgindo.

A nossa porta é um convite: “Queres participar?”

Porta da escola com cartazes sobre segurança na internet

Aproveitamos para agradecer os cartoons de Nelson Martins enviados pela equipa responsável pela Iniciativa Líderes Digitais.

Parece Chinês

E é mesmo!… A nossa aluna do curso de Turismo tem desenvolvido as suas competências no idioma Mandarim, com o recurso às aplicações Hello Chinese e Chinese Skill.

Como “Comunicar é preciso” mesmo que num registo muito diferente do nosso, cá vai: “O pinyin é o sistema fonético do idioma chinês. É geralmente usado para marcar a pronúncia do idioma Chinês Mandarim com o Alfabeto Latino”.

Aluna com tabletAluna com tablet

UFA! Isto não é nada fácil… mas é um projeto muito desafiante e desenvolvido com muito empenho pela Ana.

Sempre em Festa 

E não podíamos acabar sem ser em ambiente de Festa… A nossa aluna mais assídua fez anos e nós preparámos-lhe uma surpresa!

Porta da escola decorada com uma gaiola ramos e passarinhos

Bolo de anos e colegas na escola

Muitos Parabéns, muitas Felicidades e muitos Anos de Vida!

O nosso Natal

O trabalho final dentro de um tabuleiro natalício pronto para oferecer.

Já passou, nós sabemos, mas queremos deixar algumas imagens que revelam um pouco do nosso Natal.
Lembram-se da imagem que deixámos na última publicação? Houve quem adivinhasse e, sim, elaborámos presépios em miniatura dentro de latas de comida para gato. Utilizámos massa fimo que seca ao ar e pintámos com tinta acrílica.
Depois, fomos aos departamentos do serviço pediátrico e desejámos a todos um Feliz e Santo Natal!

Mãos de uma aluna a construir as figuras do presépio

Aluna a pintar figuras do presépio

Aluna com figura pintada

As figuras dos presépios agrupadas e prontas a serem colocadas dentro das latas

Uma aluna desenha os olhos e a boca na cabeça do Menino Jesus

Uma aluna dispõe aas figuras dentro da lata

Duas alunas entreajudam-se a colocar as figuras dentro das latas

O trabalho final dentro de um tabuleiro natalício pronto para oferecer

O livro Ilumina, de Rita Correia, em edição de autor, é um livro de capa preta que até poderia assustar. Mas não foi esse o objetivo desta atividade educativa! Pretendeu-se que as alunas que nela participaram explorassem sem medo o escuro do livro, encontrassem as ideias que o vão gradualmente iluminando e ainda inventassem outras ideias mais luminosas.
E porque no livro há uma árvore que é semeada, vai crescendo e iluminando as suas páginas, introduzimos também algumas histórias sobre a origem da árvore de Natal, as suas características perenes de pinheiro e ainda houve a oportunidade de analisar uma pinha, e degustar um pinhão depois de o explorar.
Por fim, as alunas criaram um pinheiro de Natal, escolhendo os presentes dos raios do sol que se encontram no livro da Rita Correia, com base no que mais gostariam de oferecer aos familiares e amigos.

O livro "Ilumina" à espera de ser explorado pelas alunas

As mãos das alunas a abrirem o desenho de um coração de uma página do livro

O livro de folhas negras - uma árvore vai crescendo à medida que a história evolui

As alunas procuram imagens nas páginas do livro que se vai tornando mais claro e colorido

Uma página do livro que é um muro onde alguém escreveu"Construir pontes, não muros".

A secretária coberta com materiais para pintar e colar os raios de um sol que têm escrito palavras como humildade, paciência, força, coragem, entre outras.

Uma aluna pega numa pinha

Uma aluna com um pinhão na mão

O pinhão fora da casca pronto a ser degustado

A árvore de Natal construída com as palavras dos raios de sol

Um sol pintado que convida as pessoas a tirarem um dos seus raios com a palavra preferida