A nossa História e outras histórias

Comemorámos o Dia Mundial do Animal com a leitura do livro de Jimmy Liao, O peixe que sorria.

Esta obra apresenta, além das maravilhosas ilustrações do autor, a história de um homem que passava todos os dias à frente de uma loja de animais de estimação e, sempre que olhava para a montra (um enorme aquário repleto de peixes para venda), havia um que lhe sorria. Um dia decide comprá-lo e levá-lo para casa…

Mergulhamos assim numa aventura por um mundo azul repleto de valores como a amizade, a liberdade e, sobretudo, o respeito pelos outros seres que connosco coabitam.

Ao longo da semana, pintámos um oceano para receber vários peixes que elaborámos com o recurso a pastel e a aguarela.
Deixámos os nossos desejos para os animais de que mais gostamos:

…que o cavalo possa sempre correr.
…que o lobo tenha sempre carinho, proteção e solidariedade por parte dos humanos.
…que todos respeitem o cão.
…que o panda seja livre, porque todos temos o direito de ser livres. Não gosto de saber que utilizam a beleza deste e de outros animais para divertimento dos humanos como nos jardins zoológicos e nos circos.
…que o meu cão tenha uma bola.
…que as pessoas deixem de atirar paus aos gatos.
…que o cão seja sempre bem tratado.

Esponja, prato com tinta azul e parte do mar pintado sobre papel de cenário.
O início do mar
Capa do livro O Peixe que Sorria com homem num barco a lançar um peixe ao mar
A leitura desse dia
Mão de aluna a deitar areia sobre papel de cenário com cola
O fundo do mar
A professora conta a história e mostra o livro aos alunos
Conta-se a história e trocam-se ideias
Dois alunos desenham peixes em papel para aguarela
Pintam-se os peixes
Papel de cenário azul com peixes pintados pelos alunos
O mar quase feito

Para celebrar os 108 anos da implantação da República Portuguesa, foram narrados aos alunos, sob a forma de uma pequena história, os acontecimentos que originaram este golpe de estado.

Falou-se, ainda, do significado das cores e dos elementos que compõem a nossa bandeira, assim como dos últimos reis de Portugal como D. Carlos, D. Manuel II e Rainha Dona Amélia.

O professor conta a história do 5 de Outubro aos alunos
A história de um golpe de estado
A bandeira de Portugal afixada no jornal de parede e o título Implantação da República, 108 anos.
Pormenor do jornal de parede

Um novo ano!!!

A Escola como fundamento do conhecimento

No início deste ano letivo conhecemos muitas caras novas! É sempre bom saber que a escola tem um papel importante e que, apesar de um contexto difícil, a escola consegue mobilizar as crianças e as famílias num sentido de vida positivo.

Uma das primeiras atividades que realizámos foi proposta pela escola de um dos nossos alunos. 

Pedra pintada de vermelho com toques de amarelo e verde

Entendendo a Escola como a pedra basilar do conhecimento, pintámos uma pedra como símbolo do que a Escola e o conhecimento representam no nosso quotidiano. 

A implantação da República

No âmbito da comemoração da implantação da República e considerando que temos muitos alunos que, por motivos de saúde, chegaram há pouco tempo a Portugal, realizámos diferentes atividades para dar a conhecer um pouco da nossa história recente e dos símbolos que representam a nossa Pátria.

Aluno escolhe lápis de cor para pintar bandeira portuguesa Aluno pinta a bandeira portuguesa Página com bandeira portuguesa e poema

Comunicar é preciso!

Balões de fala sem texto e um balão com "Comunicar é preciso!"

O tema condutor deste ano letivo, Comunicar é preciso!, surgiu de um dos temas propostos pelas Nações Unidas para o ano de 2019, Ano Internacional das Línguas Indígenas.

Alguns dos nossos alunos comunicaram quem são, através de jogos de palavras que agora estão expostos na Escola do Departamento de Pediatria do HSM.

Balões de fala contendo trabalhos dos alunos

Balões de fala contendo trabalhos dos alunos

Balões de fala contendo trabalhos dos alunos

Balão de fala com acróstico da Rafaela

Balão de fala com acróstico do Lucas

Balão de fala com acrósticos de Avelina Felicidade

Reiniciámos também as nossas atividades com o Pavilhão do Conhecimento. A Sandra trouxe-nos, entre outras coisas, um novo amigo, o MIO, que programámos para “caminhar” e “desenhar” 🙂 Foi bastante divertido!

Sandra do Pavilhão do Conhecimento com alunos e professora

Alunos fazem actividade com bolas cor de laranja

Sandra com alunos e o robot MIO

Folha de planeamento da deslocação do robot MIO

Um Novo Ano Letivo Chegou

Entre  Apresentações, Símbolos, Memórias e Desejos …


Tão rápido quanto acabou, aí está o novo ano letivo. Trouxe com ele não só velhos amigos, mas também novidades, uma nova professora e novos alunos. Resolvemos, por isso, quebrar o gelo do desconhecido e para todos nos conhecermos melhor, realizar algumas atividades divertidas na sua abertura.

Jogámos o jogo dos símbolos, passeámos por muitas das nossas memórias, percorremos muitas terras distantes, de Angola, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe e Guiné e construímos o nosso Pote dos Desejos para 2018/2019.

Deliciem-se ouvindo a explicação dada por uma das nossas alunas sobre o símbolo que escolheu, dando-nos uma autêntica lição de vida.

Um Bom Ano Letivo para Todos!

Diz-me o teu sonho, dir-te-ei quem és

O livro aberto em cima de uma secretária com materiais de trabalho como papel de cartolinas, canetas, barco origami, um livro nuvem.

No primeiro dia de aulas, nada melhor do que falarmos sobre os nossos sonhos para nos conhecermos melhor uns aos outros.

A partir da leitura do livro Sonho com asas, com texto de Teresa Marques e ilustrações de Fátima Afonso, da editora Kalandraka, percorremos o mundo de uma rapariga que sonhava viajar, sinónimo de voar, de ir, de céu e de azul.

E, para viajar, percebemos que a curiosidade, o sonho, o dançar, o cantar e a coragem são já metade do caminho.

Contámos os nossos sonhos, todos eles diferentes uns dos outros, mas em tudo iguais, por fazerem parte da nossa vontade, do nosso querer mais profundo e, às vezes, tão guardado em segredo como se de um tesouro se tratasse. Sim, os nossos sonhos são verdadeiros tesouros!

O meu sonho é… um gelado; voltar a andar; voltar à Guiné, a terra onde nasci; ser uma grande futebolista e uma cantora conhecida; voltar a ser independente; acabar com o mal no mundo; não haver doença no mundo; ter outro cão, porque já tenho dois; saber aproveitar a vida; ultrapassar todas as dificuldades; dar a volta ao mundo.

Cada um de nós está a construir um livro com a forma de uma nuvem e vai desenhar, escrever palavras e frases que documentem estes sonhos.

O livro aberto em cima de uma secretária com materiais de trabalho como papel de cartolinas, canetas, barco origami, um livro nuvem.

Um livro nuvem aberto onde se encontra escrita a frase: Diz-me o teu sonho!

A professora segura o livro da história aberto numa página onde se veem pássaros a voar.

Os alunos e a professora constroem uma nuvem com papel de sulfito.

AS mãos de um aluno que segura o seu livro nuvem e o constrói com um cordel, papel e tesoura.

As mãos de uma aluna a escrever no seu livro nuvem.

A todos, desejamos um bom ano letivo!

21º Encontro TeleAula

Sónia, Dulce, Clara, Sara, Dina e Magda apresentam o trabalho dos hospitaisPrestes a terminar mais um ano lectivo, tivemos hoje a oportunidade de realizar mais uma reunião anual da rede de escolas de hospital do Projecto TeleAula na EB23 José Cardoso Pires.

Numa altura em que as escolas fazem, a vários níveis, um balanço das actividades, juntamo-nos para pôr em comum trabalhos, parcerias e realizações mas também desafios, vicissitudes e necessidades.

Neste 21º Encontro, depois das palavras de boas vindas da Directora do Agrupamento José Cardoso Pires, seguimos com a partilha de cada hospital: alunos apoiados, projectos levados a cabo e reflexão sobre os aspectos conseguidos e as dificuldades ultrapassadas ou intransponíveis.

Durante a parte da tarde, contámos com a generosidade dos colegas Fernando Franco e Susana Tavares, da Equipa de Recursos e Tecnologias Educativas, para nos falarem de dois eixos da actual resposta educativa, nomeadamente o Perfil dos Alunos à saida da escolaridade obrigatório e o Projecto de autonomia e flexibilidade curricular, e de projectos e concursos que a Direção Geral da Educação apresenta às escolas instando-as a apresentar trabalhos que sejam fruto e motor de inovação.

Jornais escolares, Blogues educativos, SeguraNet, Ambientes de aprendizagm (vulgo Salas de Aula do futuro), eTwinning, Systemic, Eduscratch, Conta-nos uma história, Apps 4 Good, Media@ção, Líderes digitais, etc. são alguns dos desafios que encontraram um forte eco nos professores da escolas de hospital e, certamente, o próximo ano trará novidades e respostas dos nossos alunos.

O tema condutor do próximo ano será Comunicar é preciso, partindo de um dos temas propostos pelas Nações Unidas para o ano de 2019, o Ano Internacional das Línguas Indígenas. Brevemente encontrar-nos-emos para delinear estratégias e parcerias entre hospitais que nos levar a cabo esta tarefa no próximo ano.

Até lá, ficam algumas imagens no álbum 21º Encontro TeleAula.

A minha escola é meu património

A minha escola é meu património e eu contribuo para o património da minha escola.

Os últimos dias deste ano letivo deram evidência deste facto. Tivemos oportunidade de acompanhar três alunos às suas escolas de origem e constatar como esta reciprocidade se operacionaliza. Foram momentos de partilha e de convívio que deixam na memória uma marca de pertença,  pertença a um tempo e a um espaço no qual  todos fomos agentes e do qual todos recebemos e deixámos algo de herança, herança que se reflete no nosso futuro individual e comunitário.

Escola Básica Integrada Patrício Prazeres

Fomos ver o arraial popular de encerramento do ano letivo. Houve espetáculo com convidados – alunos da Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espetáculo do Chapitô –  e com a prata da casa – alunos, animadores e professores.  Ouvimos músicas tradicionais portuguesas e vimos malabarismo, danças e muitas bifanas.

Neste ano letivo, esta foi a segunda visita da nossa aluna à sua escola. Cada oportunidade é acolhida com entusiasmo e é com muita alegria que a vemos circular pelo espaço escolar e receber os cumprimentos dos colegas e dos funcionários. As memórias vitais de mais este convívio apenas perderão protagonismo quando forem suplantadas pelas do próximo encontro.

Até lá!

Escola Básica do 2º/3º Ciclo Manuel da Maia

Assistimos à peça que o grupo de alunos do clube de teatro, com o apoio e orientação dos seus professores, escreveu e interpretou. Nela foram apresentados vários quadros temáticos representativos de situações de vida com grande impacto social e nos indivíduos – violência doméstica, bullying, orientação sexual e BFFs (Best Friends Forever).

Ao longo dos meses anteriores fomos acompanhando o trabalho de escrita de excertos do texto, fomos ouvindo as leituras do nosso aluno e até dando algumas deixas, durante o tempo de tratamento de hemodiálise. O entusiasmo e nervosismo eram enormes, sobretudo porque a data de estreia de aproximava e a alta não era certa. Por tudo isto, não resistimos ao convite para estar entre o público e apreciar o trabalho e dedicação à arte destes jovens e seus professores.

Parabéns a todos, e especialmente ao nosso protagonista!

Escola Secundária D. João V

Fomos convidados a assistir à apresentação dos Temas de Vida, projeto final de curso dos alunos de Ensino Formação de Adultos (EFA) com as valências B2 e B3, que permitiu aos alunos a conclusão do Ensino Básico.

Os formandos davam início à sua apresentação pessoal em Inglês, dedicando depois, já em Língua Portuguesa, atenção às suas origens, ao seu percurso de vida e ao papel da escola na sua valorização pessoal. Uns movidos por sonhos de glória futebolísticos, outros fugindo de um dia-a-dia difícil, outros procurando saúde para si ou para um filho, quase todos deslocados do seu país (Cabo Verde, Guiné-Bissau ou São Tomé e Príncipe), estes formandos terão dado o passo que faltava para poderem aceder à próxima etapa – o ensino secundário.

O aluno que conhecemos há cerca de 8 anos, tem agora 24 e enche-nos de alegria, de esperança e de confiança! Agradecemos-lhe pelo exemplo lindo e  tão valioso de resiliência contra as adversidades da doença e de coragem pela perseverança do estudo, dignificando no fim todos os que consigo colaboraram e a escola como instituição que sempre pode e deve proporcionar a oportunidade de crescimento e sucesso que a cada um for adequado.

Boa sorte!

Viver o Património

Chegámos ao fim de mais um ano letivo!!!

Um ano enriquecedor, cheio de novas descobertas onde a vontade de aprender esteve sempre presente.

No que respeita ao trabalho transversal, o tema deste ano, Viver o património, foi o mote para diferentes atividades que nos permitiram aprofundar conhecimentos sobre os valores da nossa civilização, a dinâmica da cultura portuguesa e as especificidades locais, indo ao encontro dos diferentes  projetos desenvolvidos na nossa escola: Projeto TeleAula, Projeto Mitologia e Projeto Academia Código Júnior.

Este tema revelou-se pertinente e com grande potencialidade, permitindo trabalhar o encontro de culturas e o sentimento identitário. Os nossos alunos colaboram ativamente nas atividades desenvolvidas neste âmbito trocando experiências e conhecimentos num trabalho colaborativo.

Não podemos deixar de valorizar o empenho dos alunos e das famílias que apesar de todas as dificuldades tomaram a escola como uma prioridade e alcançaram com sucesso os seus objetivos escolares.

Deixámos algumas notas que os pais nos escreveram:

“Os primeiros dias são assustadores, confusos, tudo parece ser um problema. Na realidade porque tudo nos é totalmente desconhecido. De repente lembramo-nos que alguém nos disse a determinada altura que até ao final do ano a nossa filha não voltaria mais à escola. Pronto. Pânico total! E perde o ano? E os colegas amigos? Como vai ser?”

“Direi que depois da saúde, para nós, pais da XXX, vem a educação, é o que de melhor podemos dar à nossa filha para que possa tornar-se naquilo que quiser por ter-se aplicado muito ao longo dos anos e ter assim cumprido todo o percurso académico. “

“… mais uma vez o IPO surpreendeu-nos porque é “top”! Agora sim, a todos os níveis! Tem uma escola…”

“Recebem na escola vários meninos de várias idades e diferentes níveis de conhecimento, ensinam verdadeiramente, (não se limitam a entretê-los com desenhos e brincadeiras – não durante aquele momento de aulas!), cumprem os programas escolares com rigor,  vão aos quartos angariar voluntários que queiram aprender, e ainda ensinam individualmente os que estão no isolamento! Extraordinário!”

“… aqueles momentos na escolinha ajudam a passar o tempo, como ajudam a manter os conhecimentos em dia, como ajudam a exercitar o raciocínio, a mostrar que são uns guerreiros cheios de força e sobretudo permitem que todas as crianças sintam a rotina das suas vidas ali dentro. Afinal, nem tudo mudou!

“Melhor que tudo, permitem que o tempo não pare e em breve cada um regresse à sua escola e prossiga o caminho sem mais interrupções, ao lado dos colegas amigos tal como era antes. É fantástico!”

“Haverá pior do que depois de viver/superar esta aventura depararem-se com uma nova turma, e a repetição do ano escolar? Não…chega de desafios…o problema não é mesmo os tais 1, 2 ou 3 anos mas sim o que pode representar nas emoções de cada um. “

Viver o património com os oceanos, robots, azulejos e muito mais

Na escola do HSM recebemos a visita do nosso amigo oceanógrafo Francisco Silva que nos trouxe o mar ao nosso hospital. Falámos de mares, marés, correntes, ondas e ficámos a perceber melhor o fenómeno das ondas gigantes da Nazaré.

Oceanógrafo Francisco Silva fala aos alunos

Oceanógrafo Francisco Silva mostra imagem do relevo marinho aos alunos

Tivemos mais uma tarde bem passada na companhia do professor Paulo Torcato que nos trouxe os Mbots: programámo-los para andar, desviar de obstáculos, desenhar um quadrado e o número dois. Não foi fácil mas um desafio é sempre benvindo!

Professor Paulo Torcato fala sobre Mbots Mbots em funcionamento

Também tivemos a visita do Museu do Azulejo e percebemos um pouco do trabalho que está por trás dos painéis de azulejos do nosso património. Cada um de nós pintou um que entretanto ainda foi para o museu para cozer a 1000º num forno mágico. Foi uma tarde diferente e espetacular!

Pintura de azulejos com professoras, alunos e educadoras Pintura de azulejos com professoras, alunos e educadoras Pintura de azulejos com professoras, alunos e educadoras Azulejos pintados pelos alunos

Com a Sandra do Pavilhão do Conhecimento fizemos uma videoconferência em que, além de outras experiências, explorámos várias propriedades da água. Mas a estrela da tarde foi a película de sabão!!!!

Videoconferência com a Sandra do Pavilhão do Conhecimento e dispositivo para fazer películas de sabão Dispositivo para fazer películas de sabão Exploração de dispositivo para fazer películas de sabão Exploração de dispositivo para fazer películas de sabão

Numa sessão presencial, trouxe-nos um grande desafio com LED e circuitos e fizemos postais pop-up bastante iluminados!

Sandra do Pavilhão do Conhecimento mostra a construção de postais com LED Criação de um postal com sapo, moscas e LED Postal com um morcego e um LED Postal com um sapo e uma mosca com LED aceso

Como o ano letivo está quase a terminar, deixamos uma quadra para vos animar.

Cartão com circuito integrado em forma de manjerico e a quadra: Do Pavilhão do Conhecimento/Vem a Sandra nos ensinar/E para acabar este ano/Com os LEDs vamos celebrar

Património Sempre Presente…

Nova visita aos Namban-Jin – Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA)

Através de um exercício de observação pormenorizado dos famosos Biombos Namban, dos pintores  Kamo Naizen e Kano Domi, e com a ajuda da Rita Gonçalves do MNAA, revisitámos a chegada das naus portuguesas a esse país longínquo que é o Japão, ao porto de Nagasáqui, no séc XVI. Nesta viagem levámos novos viajantes a descobrir quem eram e como se vestiam os vários intervenientes desta aventura, como eram as naus,  qual a sua valiosa carga, entre outras curiosidades. Aproveitámos  o balanço e espreitámos um pouco mais da cultura japonesa dos nossos dias.

Aqui deixamos registado algum do  vocabulário resultante desta sessão para conhecimento de todos:

Namban-Jin = Bárbaros que vêm do sul

Bombachas = Calças curtas e largas

Kurafuné = Barco Negro

Samurai = Guerreiro japonês

Karpa = Peixe da Boa Sorte

Momidje = Árvores que dão flor de cor amarela e vermelha típicas do Japão

Sushi = Um prato da culinária japonesa que possui origem numa antiga técnica de conservação da carne e de peixe em arroz avinagrado

HelloKitti = Desenho animado criado no Japão

Mangá ou manga = Banda desenhada no estilo japonês (várias mangas dão origem a animes)

E ainda palavras japonesas que fazem parte do português:

Biombo = Byobu
Quimono = Kimono = Veste típica do Japão
Judo = Judo
Caratê – Karate

Mais uma vez agradecemos à Rita ter-nos proporcionado uma manhã tão interessante e curiosa  através das histórias dos Namban-Jin!

Clube de Educação Tecnológica da EBI da Bobadela já é nosso património

Como já é da tradição no 3º período, desta vez o encontro TeleAula foi ao vivo…

Partindo da história da Fábrica de Porcelana de Sacavém, os nossos alunos montaram painéis representativos dos famosos padrões usados nas pinturas das porcelanas, utilizando para isso as sete peças do Tangram.  Para o sucesso desta atividade,  contámos com a preciosa ajuda do grupo de alunos e professores do Clube de Educação Tecnológica da Escola Básica Integrada da Bobadela (C.E.T.), que previamente prepararam todo o material necessário e dinamizaram a sessão.

Sucederam-se ainda mais atividades, que passaram pela composição do tangram com imagens alusivas às louças de Sacavém e a resolução  de desafios matemáticos e figuras usando as sete peças do tangram.

Foi uma TeleAula ao vivo Muito Dinâmica e Divertida!

MUITOS PARABÉNS  a todos os elementos do  C.E.T. que tanto contribuíram  para que tal fosse possível!

Dia Mundial da Criança

O  final de ano letivo não seria o mesmo se não se comemorasse este dia.

O núcleo pedagógico do Hospital de Dona Estefânia sugeriu atividades para esta comemoração, por solicitação do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central. O Serviço de Apoio Escolar ao 2º/3º ciclos e secundário propôs cinema. Esta atividade iria complementar as outras atividades do programa. Desenvolvemos duas sessões, a primeira como aperitivo, logo no dia 30 de maio, e a segunda sessão no próprio dia 1 de junho. O filme foi votado e escolhido pelos espetadores.

Pois é, ele foi  cineminha, um jogo de tabuleiro dinamizado pelo núcleo educacional do Museu da Cidade de Lisboa, pinturas faciais e teatro trazidas  pelos alunos do 1º e 2º anos do Curso de Apoio à Família e Comunidade da Casa Pia de Lisboa. A brincar e de forma bem divertida este grupo conseguiu apelar à reciclagem do lixo, contribuindo para a consciencialização de que, através de pequenos gestos como esse,  todos somos responsáveis por mantermos/conservarmos e lutarmos por um PLANETA MELHOR e MAIS LIMPO.