Faz de conta que és um explorador, um cientista e um historiador!

Comemorando a Europa

O dia 9 de maio é o dia da Europa e, este ano, quisemos aprofundar este tema através de uma viagem muito especial.
Os nossos alunos fizeram de conta que eram viajantes exploradores e foram à descoberta dos países da Europa.
Foram propostas várias atividades de acordo com o país escolhido, desde pintura à construção de monumentos emblemáticos…

Simulação de uma erupção vulcânica 

Com as nossas alunas estagiárias da ESE realizámos uma TeleAula com os alunos do HSM.
A TeleAula foi… explosiva. Os alunos fizeram de conta que eram cientistas e exploraram as partes constituintes de um vulcão e simularam uma ERUPÇÃO VULCÂNICA.
Uma animação! O que o vinagre e o bicarbonato de sódio podem provocar!!!!


Projeto Mitologia – À descoberta de Ulisses

Este mês, com os alunos da Faculdade de Letras, fomos à descoberta de Ulisses.
Terminada a guerra de Tróia, os deuses reúnem-se para decidir o destino de Ulisses. Enquanto uns defendem o seu rápido regresso a casa, na ilha de Ítaca, outros preferem voltar a pô-lo à prova, lançando-lhe novos desafios.
Zeus acaba por concordar em transformar a viagem de regresso de Ulisses a casa numa verdadeira aventura. Entre o mar e a terra firme, o gosto pela aventura e a vontade de voltar para casa, Ulisses terá de enfrentar a fúria das tempestades e a força dos Ciclopes, terá de resistir aos feitiços de Circe, ao canto das Sereias e à sedução da ninfa Calipso.
Ulisses teve de contornar os obstáculos que o afastavam do seu grande objetivo: reencontrar a mulher Penélope e o filho Telémaco.

Jogos, chefs e robots no mundo do faz de conta

Estivemos a jogar “O mundo do faz de conta” em que o objetivo era preencher os dedos de uma mão com fantoches, numa TeleAula com a escola do IPO. Foi divertido e houve muitas gargalhadas.


Alunos e professora a olhar para ecrã (TeleAula - sessão de videoconferência)

Com a Sandra do Pavilhão do Conhecimento fizemos de conta que éramos “Chefs”. Criámos na nossa escola um laboratório de cozinha molecular e confecionámos caviar de frutos.


O professor Paulo Torcato esteve na nossa escola para algumas “aulas privadas” de Scratch e para construir um robot.
Na primeira fizemos uma pequena história que acreditamos ser só um início já que esta aluna ADORA escrever e aprender coisas novas!
Na segunda, construímos um robot e ensinámo-lo a sentir e a ver.


Também levámos o professor Paulo Torcato para reencontrar um velho amigo do projeto O Robot ajuda! na escola do CMR Alcoitão. A sala esteve bem composta também com novos amigos. Foi uma tarde muito bem passada.



Ter TeleAula e contar como foi

O Clube de Educação Tecnológica da EBI da Bobadela propôs em mais uma TeleAula uma atividade de engenho, saber e arte!
Contamos que a TeleAula seja um veículo de troca de saberes e partilha de experiências. Apreciamos o tempo e os materiais em que os nossos parceiros investiram. Aprendemos muito com a sua generosidade e criatividade. Contamos com a sua sábia orientação e com a nossa capacidade de improviso.
Desta vez construímos um carrinho movido a eletricidade e comandado por magnetismo.

A apresentação dos intervenientes

Enquanto noutro espaço da sala decorria uma atividade diferente
O início da construção
Diferentes fases do processo
Atenção…
…na execução.
Alunos e professores trocando impressões

Fica o curto vídeo de demonstração do funcionamento do engenho:
Esperamos que tenham gostado tanto de ver como nós gostámos da experiência deste desafio!

Cientistas e políticos

Comemorámos o dia 25 de abril com alegria e concentração.
O professor Fernando simulou uma manifestação contra o governo antes de abril de 1974, ou seja, durante o regime do Estado Novo e acabámos todos na prisão, claro! sempre a fazer de conta…
Surgiram ideias interessantes e memórias contadas, algumas vividas, outras ouvidas de pais e avós. Sim, na nossa sala, estiveram presentes várias gerações de pais e avós que nos ofereceram as suas experiências.
A professora Sónia leu o conto O tesouro de Manuel António Pina e explicou com exemplos a vida em Portugal antes do 25 de abril de 1974. Falámos de cartazes famosos, do significado do cravo vermelho, de músicas da revolução que cantámos ao som da guitarra, Vejam bem e Grândola, Vila Morena.

Fizemos o nosso próprio cartaz, visionámos o filme 25 de abril – infominuto da RTP e, sob orientação da professora Sandra, realizámos a experiência Cravos de mil cores, uma clássica experiência científica.
Como fazer esta experiência? É simples. Apresentamos o protocolo.

ATIVIDADE LABORATORIAL
Simulando a Contaminação das Plantas por Águas Poluídas

Material

  • Corante alimentar de cor azul
  • Corante alimentar de cor verde
  • Corante alimentar de cor vermelha
  • Água
  • 4 Garrafas de água vazias
  • 1 Tesoura
  • 1 Marcador ou etiquetas
  • Flores brancas (Exemplo: cravos)
  • Lupa

Procedimento

  1. Numera as 4 garrafas de água vazias com o marcador ou utiliza etiquetas.
  2. Na garrafa com o número 1 coloca água da torneira.
  3. Na garrafa com o número 2 coloca água da torneira e junta-lhe corante alimentar azul.
  4. Na garrafa com o número 2 coloca água da torneira e junta-lhe corante alimentar verde.
  5. Na garrafa com o número 2 coloca água da torneira e junta-lhe corante alimentar vermelho.
  6. Aguarda três dias.
  7. Regista os resultados obtidos.
  8. Com a tesoura corta transversalmente o caule de cada uma das plantas.
  9. Observa com a lupa e regista os resultados.
  10. Procede do mesmo modo utilizando uma pétala de cada uma das flores.
  11. Observa e regista os resultados.

Discussão dos Resultados

  1. Refere o que ocorreu a cada uma das plantas após a realização da atividade
  2. Prevê o que acontecerá às plantas ao absorverem, no seu meio, água contaminada.

A maioria das plantas absorve a água e os nutrientes necessários através da sua raiz, levando a água pelo caule até folhas e flores. As flores cortadas não têm raiz, mas absorvem água de vasos ou jarras onde são colocadas. Quando o corante é adicionado à água, é absorvido pela planta, tingindo as flores. O processo funciona especialmente bem em cravos brancos e, às vezes, em rosas.
Quando a água se evapora pelas folhas e pétalas, o processo chamado transpiração “puxa” mais água pelo caule da planta para repor a água que foi perdida. O movimento da água é chamado de ação de capilaridade. Uma vez absorvida pelas raízes ou pelo caule cortado, a água e tudo que ela contém, incluindo corantes, viajam pela planta em tubos chamados xilemas. Quatro dias depois da experiência, os cravos ficaram deste modo:

Os corantes alimentares pretendem simular a ação de um poluente na água que é absorvido pelas plantas.