Chocolate, arte e matemática

A escola participou na comemoração do Dia Mundial do Chocolate, no dia 7 de julho, atividade dinamizada pelo Serviço Educativo do Serviço de Reabilitação Pediátrica e Desenvolvimento do CMRA.
Durante a semana, os alunos pesquisaram e elaboraram trabalhos sobre a rota do cacau (países produtores e países transformadores), a lenda do chocolate e utilizações deste produto na cosmética, saúde e arte. No próprio dia, houve festa no exterior do Alcoitão e distribuição de chocolates pelos miúdos e graúdos.

O planeta Terra desenhado e pintado num papel colado na parede, com os países produtores e transformadores assinalados.

A lenda do chocolate adaptada por uma aluna de informação retirada da internet.

A aluna lê e explica aos seus colegas a lenda do chocolate.

No jardim do CMRA é feita a distribuição de caixas com chocolate às crianças e jovens.

A Andreia Dias e a Raquel Feliciano do serviço educativo do Museu Calouste Gulbenkian visitaram-nos mais duas vezes, através de videoconferência, para falarem de Arte e de Matemática e de como a Natureza, a Ciência e a Arte se cruzam e interligam para nos oferecer trabalhos fantásticos.
Observámos algumas obras de artistas que aplicaram a Matemática ao seu trabalho plástico como Maurits Cornelis Escher, Lygia Clark, Luís Neuparth, Robert Smithson, Hilma Af Klint, Fabienne Verdier, Gillian Ayres, Wassily Kandinsky, Vincent Van Gogh, Amadeo de Souza-Cardoso, Sónia e Robert Delaunay.
Reforçando ou aprendendo pela primeira vez alguns conteúdos abordados nos currículos escolares como, por exemplo, a tira de Moebius, as noções de infinito, continuidade, tempo, esfera, círculo, circunferência, espiral, círculos concêntricos e até a utilização do compasso, estas sessões teórico-práticas foram uma oportunidade excecional para o cruzamento interdisciplinar e para  ver a matemática de uma maneira mais divertida.
Realizámos algumas atividades artísticas e as perguntas foram tantas que precisávamos de mais uma sessão com a Raquel! Visionámos também o vídeo Nature by numbers, com imagens maravilhosas da Natureza e uma música muito bonita de Wim Mertens.
O nosso colega W., que já teve alta, também participou da sua casa nestas sessões. Gostámos de o rever!

Um aluno recorta a tira de Moebius.

No quadro interativo, podemos ver dois quadros de Escher que parecem feitos a partir de uma tira de Moebius.

A professora ajuda os alunos a recortar uma tira de Moebius.

Visão quase global da sala de aula.

Trabalho de um aluno sobre a forma que representa o infinito, um 8 deitado.

Uma aluna traça uma circunferência com o compasso.

Um trabalho de um aluno onde se vê representas duas espirais pintadas no seu interior.

Trabalho de um aluno que representa um círculo concêntrico pintado a lápis de cera.

No quadro interativo, podemos ver trabalhos da artista plástica Hilma Af Klint e os participantes na sessão.

Despedimo-nos até ao próximo ano letivo com as palavras de Nuccio Ordine, no seu livro A utilidade do inútil, manifesto, editora Faktoria de livros.

Existem saberes absolutos que – precisamente pela sua natureza gratuita e desinteressada, longe de qualquer vínculo prático e comercial – podem ter um papel fundamental na educação do espírito e no desenvolvimento cívico e cultural da humanidade. Dentro deste contexto, considero útil tudo aquilo que nos ajuda a tornarmo-nos melhores.

Votos de saúde e amor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *