Dezembro “em cheio”!

Comunicar através do Som e do Ritmo

Uma vez mais fomos surpreendidos pelos alunos do Clube Tecnológico da EBI da Bobadela com uma atividade muito bem preparada e muito interessante!

Com a aproximação das comemorações do Novo Ano, construímos dois instrumentos musicais – um de percussão e outro de sopro, com recurso a materiais reciclados – que farão com certeza muita falta na noite de passagem de ano.

Alunos do HDE em TeleAula com alunos da Bobadela

Construção de instrumento musical com cápsuals de café

Instrumento musical com cápsuals de café

Construção de instrumento musical pelos alunos da Bobadela

Construção de instrumentos musicais pelos alunos do HDE

Agradecemos muito aos alunos Iasmin, Bery, Beatriz, Bruna e Daniela, bem como aos professores Carlos V., Carlos e Vitor do Clube Tecnológico que orientaram esta atividade. Já estamos a aguardar ansiosamente pela próxima!

Criatividade aos “sacos”

Este período tivemos a visita do Museu da Marioneta que nos trouxe uma mostra de marionetas feitas de diferentes materiais e originárias de diferentes partes do mundo.

Animador do Museu da Marioneta com aluna

Marioneta crocodilo

Marioneta Rodolfo do nariz vermelho feita com caixa de ovos

 

 

 

Marioneta Minion e alunos

 

 

 

 

 

Alunos do HDE com animadores

 

 

 

 

 

Mostraram-nos também que com um simples saco de papel, cartolinas de diversas cores, tesoura, cola e muita criatividade podíamos construir as nossas marionetas e foi isso que fizemos.

Alunos do HDE criam marionetas

Vejam como ficaram engraçadas!

Alunos do HDE com marionetas que criaram

Agradecemos muito ao Pedro e à Marta a sua disponibilidade e terem-nos proporcionado uma manhã tão divertida!

Uma doce e mágica tarde de chuva

Ombela significa chuva em umbundu. Neste conto, representado de forma mágica pelo grupo Kaô: Embalos do Mundo, Ombela é filha de deuses, a quem é atribuído o poder da criação da chuva. É o seu pai que lhe ensina que a tristeza faz parte da vida e que também se pode chorar de felicidade. Então, quando Ombela chora de tristeza, as lágrimas salgadas enchem os oceanos e quando Ombela chora de felicidade, as lágrimas doces enchem os rios e os lagos.

Grupo Kao e alunos do HDE

Com recurso ao movimento, ao som, a diferentes texturas e à música, fomos literalmente transportados para África com todos os seus sons, cheiros, animais, numa mensagem de esperança e felicidade que terminou com a canção:

“Menina a Felicidade
é cheia de Ar
é cheia de Vento
é cheia de Riso
é cheio de Sol (e de Chuva)
Menina a Felicidade
é cheia de A
é cheia de E
é cheia de I
é cheia de O (e de U)”

Grupo Kao e alunos do HDE

Foi uma doce e mágica tarde de chuva que muito agradecemos à Tânia e ao Rodrigo do grupo Kaô: Embalos do Mundo e às nossas parceiras Andreia e Rita do Núcleo Educativo da Fundação Callouste Gulbenkian que os trouxeram até nós!

Grupo Kao e pacientes do HDE

O Espírito de Natal invadiu-nos…

Este Natal, de forma simples e criativa, decorámos a nossa sala de aula e os nossos quartos. Coroas de Natal, presépios, Pais Natal, postais, tudo feito por nós, com materiais muito simples, mas com muito amor e esperança no futuro!

Alunos com decorações de Natal que criaram

Aqui fica uma pequena mostra das nossas decorações de Natal!

Decorações de Natal sobre o ecrã da escola

Pais Natal

Decorações de Natal na porta da escola

E o que mais importa são os afetos…

Para terminar em beleza o final de período e o final de ano, recebemos a visita dos colegas, da Diretora de Turma e de outros professores do Conselho de Turma da nossa aluna Rebeca. E tudo preparado em segredo!

SURPRESA!!!….

Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE        Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE

 

 

 

Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE

Foi uma manhã maravilhosa, de festa, de cumplicidades, mas principalmente de muita alegria e amizade!

Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE

Obrigada Educadora Isabel, por teres registado este momento!

Ufa! Chegámos ao fim!

Resta-nos desejar a todos um Excelente Ano de 2019!!! E para continuarmos em festa, aqui fica o som das nossas “vuvuzelas caseiras”!

O meu coração tem muitas cores

Abrimos as portas dos nossos corações, à semelhança da protagonista da história do livro No meu coração pequenino, de Jo Witek e Christine Roussey. Um livro para todas as idades que fala dos sentimentos e das emoções de uma menina que acha que o seu coração “é um tesouro que muda de cor consoante o seu humor”.
Após e durante a leitura trocámos impressões e saberes, como por exemplo: o que são as lágrimas de crocodilo? Sim, todos sabem que esta frase se refere a um choro fingido, mas como surgiu e porquê? Os crocodilos engolem a sua presa sem mastigar e, para que o possam fazer, abrem a mandíbula de tal forma que ela comprime a glândula lacrimal. Em consequência, um mecanismo semelhante ao nosso produz lágrimas. Parece que choram com piedade da sua presa, mas trata-se de uma reação física a um estímulo.

Fizemos um jogo para adivinhar sentimentos com os corações que desenhámos.

O aluno mais velho esteve a estudar os idiomatismos, na disciplina de Português. Quer ser professor, então, nada melhor do que começar a treinar a sua futura profissão. Esteve a explicar aos mais pequenos, aos pais, às mães e às educadoras o significado de “expressões com o coração dentro”. Seguem algumas frases:

Cair o coração aos pés – Não estar à espera que algo aconteça.
Do coração – De boa vontade.
Falar com o coração nas mãos – Falar com sinceridade.
Fazer das tripas coração – Esforçar-se ao máximo.
Ler no coração – Perceber os sentimentos das outras pessoas.
Não ter coração – Ser mau.
Ter pelos no coração – Ter maus instintos.
Ser um coração lavado – Ser uma pessoa com bons sentimentos. Ser um bom amigo.
Ter o coração na boca – Ficar aflito.

Entretanto, sem que ninguém previsse, apareceram na sala da escola dois atores famosos da telenovela portuguesa Jardins proibidos: Vítor Silva Costa (Alfonso Herédia) e Renato Godinho (inspetor Nuno). Conversámos, tirámos fotografias, partilhámos emoções e sentimentos.

Depois, metemos mãos à obra e escrevemos os sentimentos que moram no nosso coração.
Fico feliz, quando vejo… os meus amigos; ajudarem os outros; a minha mãe e o meu pai; a minha mãe feliz; a minha família. Quando oiço… a minha mãe; palavras bonitas; elogios; música; o mar. Quando como… chocolates, carne, bacalhau à Brás; batatas fritas; de tudo. Quando sinto… que estou quase a ir embora; amor no coração; amizade; coisas boas. Quando… vejo a minha avó feliz; tenho amigos; vou de fim de semana a casa; estou com as pessoas de quem gosto; vejo a minha mãe sorrir. Quando os meus amigos… vão a minha casa; me respeitam; gostam de mim; me apoiam; me tratam bem. 
Fico triste, quando vejo… injustiças; maltratarem os outros; as pessoas de quem mais gosto morrerem; que a minha mãe não está perto de mim; injustiças; os meus pais a discutir. Quando oiço… palavras duras e feias; asneiras; a ralharem comigo; barulhos atrás de mim; discriminação racial; coisas más. Quando como… sopa; bacalhau; espinafres verdes; cebola muito picante; peixe. Quando sinto… dor; raiva; infelicidade; falta de amizade; que sou posto de parte; a minha cabeça a ouvir vozes. Quando…estou sozinha; acordo de manhã com os pés de fora; não tenho os meus pais perto de mim; não vou de fim de semana a casa; não me respeitam; me chateio com os meus amigos. Quando os meus amigos… não me vêm ver; não ligam ao que lhes digo; não vão a minha casa; me pregam sustos; dizem coisas sobre mim que me magoam.
Um amigo especial, muito colorido, que nos acompanhou durante toda a tarde.
Em seguida, dissemos algumas palavras doces e outras amargas como, por exemplo: bonito, amizade, beijo, sol, melhor amiga, mel, simpático, filho, sorriso, amor, mãe, mar, irmão, animais, mau, solidão, agressividade, falsidade, castigo, birras, escuro, desistir, chatices, rancor, estúpido, racismo, feio, ansiedade. Descubram quais as doces e quais as amargas.
Este trabalho foi partilhado com os nossos amigos do Hospital Dona Estefânia, durante uma sessão de videoconferência. As professoras do HDE fizeram-nos um jogo sobre as emoções e as expressões.

Deixamos duas opiniões sobre a sessão: “Adorei esta aula!” e “Foi uma aula gira! Onde é que arranjaram as fotografias do jogo?”.