Património das Mitologias Clássicas

Durante este período, exploramos o património das mitologias clássicas!

Navegamos pelas aventuras de Jasão e os Argonautas e descobrimos diversos mitos em que pessoas são transformadas em animais ou em plantas.

Jasão e os Argonautas

Jasão era filho do rei Éson e irmão de Éson. Éson usurpou o trono ao irmão e obrigou-o juntamente com a sua mãe a fugirem da cidade de Lolco.

Passados anos, Jasão voltou a Lolco e reivindicou o trono de seu pai. Pélias concordou, desde que Jasão fosse buscar o velo de ouro, que estava escondido numa árvore na Cólquida.

Jasão construiu então um navio, a que chamou Argos, e reuniu uma tripulação de 50 homens que partiram para a Cólquida. Entre os tripulantes estavam Peleu, pai de Aquiles, o médico Asclépio e o poeta Orfeu.

Durante a viagem, Jasão e os argonautas enfrentaram muitos perigos.

Para entrar no Mar Negro, precisavam de passar pelas simplégades, enormes pedras que se fechavam se um navio tentasse passar por elas. Para vencer esse obstáculo, Jasão soltou uma pomba, que passou rapidamente pelas simplégades. No momento em que as simplégades recuavam, o Argos conseguiu passar rapidamente.

Para chegar até o bosque onde estava a árvore com o velo de ouro, Jasão deveria matar um dragão e semear um campo com os dentes do dragão. Quando os dentes fossem semeados, de cada um deles sairia um soldado armado. Com a ajuda da bruxa Medeia, Jasão tornou-se invulnerável ao fogo do dragão. Matou-o e semeou os dentes. Quando os soldados surgiram da terra, Jasão escondeu-se e atirou uma pedra a um deles. Sem saberem de onde a pedra tinha saído, os soldados engalfinharam-se e mataram-se uns aos outros.

Cumprindo a promessa, Jasão casou-se com Medeia e apoderou-se do velo de ouro. Na viagem de volta, os argonautas precisaram de atravessar a região onde viviam as sereias, criaturas metade mulher e metade peixe que atraíam os marinheiros para a morte com o seu belo canto. No entanto, o canto de Orfeu era mais belo e, graças à arte do grande poeta, os argonautas conseguiram resistir às sereias e voltar a Tessália.

Metamorfoses

Nas diversas Mitologias Clássicas são diversos os mitos em que pessoas são transformadas em animais ou, mais frequentemente, em plantas. Apesar de uma tal mudança ser ainda impossível no mundo de hoje, o seu propósito literário é simples.

A criação destes mitos assenta na necessidade da humanidade em compreender e aceitar o mundo que a rodeia. Assim, a existência de diversos animais, bem como plantas e fenómenos terrenos, era justificada através desses mitos, possibilitando aos Antigos uma fácil compreensão de todas essas realidades.

Um dos mitos mais apreciado pelos nossos alunos foi o mito de Narciso e de Eco.  Narciso e Eco foram punidos pelos deuses. Narciso viria a ser transformado na flor a que hoje dá o nome. Eco teve uma estranha condenação: jamais teria a oportunidade de falar em primeiro lugar, mas teria sempre a última palavra.

Luz e Mitologia

Os pontos de Luz no mundo

Continuando na exploração da Luz e indo ao encontro do currículo da Geografia, os nossos alunos estiveram a explorar os pontos mais iluminados do mundo.
Foi uma atividade que despertou muito interesse nos nossos alunos!
A partir deste trabalho perceberam que a Terra, à noite, é um mundo de escuridão, mas também de muita luz.
As áreas mais iluminadas e povoadas situam-se no hemisfério norte, sobretudo ao longo da costa.
Também aprenderam que algumas regiões são pouco iluminadas porque correspondem às zonas desertas do nosso mundo.

Mitologia Grega

No dia 10 de abril recebemos a visita do Pedro e do Eduardo da Faculdade de Letras de Lisboa. Nesta visita exploramos os deuses olímpicos. Os nossos alunos adoraram e querem repetir a experiência!

Na primeira sessão, um dos primeiros deuses de que falámos foi Zeus, o deus dos céus, que salvou os seus irmãos da fúria do pai, que os devorava com medo de ser destronado por um deles. Zeus teve dois irmãos, Hades (deus do submundo) e Posídon (deus dos mares), e três irmãs, Deméter (deusa da agricultura), Hera (deusa do casamento) e Héstia (deusa do fogo da casa).
Zeus casou com Métis, deusa da inteligência, que tinha a capacidade de prever o futuro e de se transformar no que quisesse. Métis previu que um dos filhos de Zeus o iria destronar, assim como aconteceu com o seu pai. Então, quando Métis ficou grávida, Zeus, preocupado, desafiou-a para uma competição: saber qual dos dois seria capaz de se transformar em mais coisas. Um dia, Métis transformou-se numa gota de água e Zeus aproveitou e engoliu-a. Como Métis estava grávida, a filha dos dois acabou por nascer da cabeça do pai. Era Atena, a deusa da sabedoria, e já nasceu crescida e armada.
Mais tarde Zeus casou com Hera. Os dois tiveram quatro filhos: Ares (deus da guerra violenta), Hebe (deusa da juventude), Hefesto (deus ferreiro) e Ilítia (deusa dos partos).
Zeus também teve outros filhos. Os mais conhecidos são: Atena (deusa da sabedoria e da guerra justa), Hermes (deus mensageiro) e os gémeos Ártemis (deusa da caça) e Apolo (deus das artes, da medicina e da profecia).