Comunicando, e bem!

Nesta comunicação destacamos três atividades propostas e desenvolvidas pelos nossos parceiros de aventuras, o Núcleo de Educação da Fundação Calouste Gulbenkian, o Museu Nacional de Arte Antiga e a Academia do Código.

Diz que disse

Como comunicar a alguém algo que lhe é desconhecido? Começámos a atividade com cada um de nós a descrever ao Ricardo como era um elefante. Depois de desenhado o “nosso elefante” a partir das nossas indicações, observámos várias imagens de outros elefantes de tempos longínquos.

Animadores do Núcleo de Educação da FCG e alunos

Animadores do Núcleo de Educação da FCG mostram a figura de um animal aos alunos

Numa outra atividade, foi proposto que cada um descrevesse ao seu par uma imagem que o outro desconhecia e que teria de desenhar.

Animadores do Núcleo de Educação da FCG e alunos a desenharem

Aluna a desenhar

 

 

 

 

Finalmente, a partir de uma descrição de Fernão Mendes Pinto (Peregrinação, Capítulo XIV) dos lagartos que tinha observado, cada aluno interpretou através do desenho o que tinha ouvido.

Alunas mostram desenho do animal que criaram

O resultado destas duas atividades foi hilariante, como podem comprovar.

Desenhos dos animais que foram criados   
Desenhos dos animais que foram criados

A brincar percebemos que é importante sermos precisos na nossa comunicação ou corremos o risco de passarmos mensagens erradas ou não passarmos – de todo – a nossa mensagem!

A manhã passou num instante… agradecemos muito ao Ricardo, ao Rui, à Inês e à Andreia por nos terem proporcionado uma atividade tão divertida!

Espelho meu, espelho meu, haverá algum retrato mais belo que EU?

Foto de cara composta por metade da face de mulher idosa e metade de mulher jovem reflectida no espelhop segura pela idosa

O retrato como forma de comunicar foi o desafio lançado nesta atividade. De que modo nos representamos e representamos o outro ao longo dos tempo? Que importância tem guardar retratos de pessoas de que gostamos e registos de momentos da nossa vida? Conseguem os retratos captar a essência das pessoas retratadas e mensagens ocultas que queremos passar aos outros?

Animadora do MNAA e alunos

Através da análise dos mais variados retratos, dos mais antigos aos mais contemporâneos, tentámos responder a estas questões. Hoje a facilidade de nos retratarmos está ao alcance de um “clic” mas nem sempre foi assim. Perduram, no  entanto, as mesmas preocupações no  passado e no presente em que também são pensados todos os pormenores como a roupa, a pose, a luz, entre outros aspetos, de acordo com a mensagem que se pretende transmitir.

Animadora do MNAA e alunos

E demos connosco dedicados à tarefa  de tentar decifrar aquilo que vai para além do retrato e do que é visível, talvez aquilo que é a essência do retratado e do momento, com várias frases sugeridas e, claro, discordámos e rimos muito!

Frases (Vejam, tudo isto é meu; Queres trocar comigo, etc.) impressas em recortes de papel

De seguida, analisámos o retrato do “nosso amado” D. Sebastião e verificámos que os factos históricos são muito diferentes da mensagem que este Rei desejava passar aos seus súbditos; ao contrário da pose do retrato, a sua fragilidade era real e evidente.

Retrato de D. Sebastião

E, no final, fomos convidados a fazer o nosso autoretrato. Um agradecimento muito especial à Marta que, com o seu entusiasmo, conquistou uma plateia de ‘pequenos e crescidos’.

Composição com retratos antigos e fotos recentes

O Código

Desta vez, a Sofia e a Isabella trouxeram-nos duas atividades. Numa partimos à descoberta  de respostas para as questões: “Será que tem tecnologia?”, “Será que é programável?”. Numa outra atividade, foi necessário dar instruções (criar um algoritmo/código) para se conseguir realizar/validar a tarefa do nosso herói digital.

Animadoras da AC com alunos e tablets

Animadoras da AC com alunos e tablets

Esta segunda atividade exigiu muita concentração e precisão para levar a cabo a tarefa mas, com a ajuda de todos, em especial  dos mais pequenos, conseguimos ajudar o nosso herói digital.

Animadoras da AC, alunos e aluno no quadro interactivo

Obrigada, Sofia e Isabella!

E assim iniciámos o 3º Período, com muita comunicação e boa disposição com a operação Nariz Vermelho!

Doutores palhaços com guitarras, aluno e professora no corredor do hospital

 

 

 

 

 

Dezembro “em cheio”!

Comunicar através do Som e do Ritmo

Uma vez mais fomos surpreendidos pelos alunos do Clube Tecnológico da EBI da Bobadela com uma atividade muito bem preparada e muito interessante!

Com a aproximação das comemorações do Novo Ano, construímos dois instrumentos musicais – um de percussão e outro de sopro, com recurso a materiais reciclados – que farão com certeza muita falta na noite de passagem de ano.

Alunos do HDE em TeleAula com alunos da Bobadela

Construção de instrumento musical com cápsuals de café

Instrumento musical com cápsuals de café

Construção de instrumento musical pelos alunos da Bobadela

Construção de instrumentos musicais pelos alunos do HDE

Agradecemos muito aos alunos Iasmin, Bery, Beatriz, Bruna e Daniela, bem como aos professores Carlos V., Carlos e Vitor do Clube Tecnológico que orientaram esta atividade. Já estamos a aguardar ansiosamente pela próxima!

Criatividade aos “sacos”

Este período tivemos a visita do Museu da Marioneta que nos trouxe uma mostra de marionetas feitas de diferentes materiais e originárias de diferentes partes do mundo.

Animador do Museu da Marioneta com aluna

Marioneta crocodilo

Marioneta Rodolfo do nariz vermelho feita com caixa de ovos

 

 

 

Marioneta Minion e alunos

 

 

 

 

 

Alunos do HDE com animadores

 

 

 

 

 

Mostraram-nos também que com um simples saco de papel, cartolinas de diversas cores, tesoura, cola e muita criatividade podíamos construir as nossas marionetas e foi isso que fizemos.

Alunos do HDE criam marionetas

Vejam como ficaram engraçadas!

Alunos do HDE com marionetas que criaram

Agradecemos muito ao Pedro e à Marta a sua disponibilidade e terem-nos proporcionado uma manhã tão divertida!

Uma doce e mágica tarde de chuva

Ombela significa chuva em umbundu. Neste conto, representado de forma mágica pelo grupo Kaô: Embalos do Mundo, Ombela é filha de deuses, a quem é atribuído o poder da criação da chuva. É o seu pai que lhe ensina que a tristeza faz parte da vida e que também se pode chorar de felicidade. Então, quando Ombela chora de tristeza, as lágrimas salgadas enchem os oceanos e quando Ombela chora de felicidade, as lágrimas doces enchem os rios e os lagos.

Grupo Kao e alunos do HDE

Com recurso ao movimento, ao som, a diferentes texturas e à música, fomos literalmente transportados para África com todos os seus sons, cheiros, animais, numa mensagem de esperança e felicidade que terminou com a canção:

“Menina a Felicidade
é cheia de Ar
é cheia de Vento
é cheia de Riso
é cheio de Sol (e de Chuva)
Menina a Felicidade
é cheia de A
é cheia de E
é cheia de I
é cheia de O (e de U)”

Grupo Kao e alunos do HDE

Foi uma doce e mágica tarde de chuva que muito agradecemos à Tânia e ao Rodrigo do grupo Kaô: Embalos do Mundo e às nossas parceiras Andreia e Rita do Núcleo Educativo da Fundação Callouste Gulbenkian que os trouxeram até nós!

Grupo Kao e pacientes do HDE

O Espírito de Natal invadiu-nos…

Este Natal, de forma simples e criativa, decorámos a nossa sala de aula e os nossos quartos. Coroas de Natal, presépios, Pais Natal, postais, tudo feito por nós, com materiais muito simples, mas com muito amor e esperança no futuro!

Alunos com decorações de Natal que criaram

Aqui fica uma pequena mostra das nossas decorações de Natal!

Decorações de Natal sobre o ecrã da escola

Pais Natal

Decorações de Natal na porta da escola

E o que mais importa são os afetos…

Para terminar em beleza o final de período e o final de ano, recebemos a visita dos colegas, da Diretora de Turma e de outros professores do Conselho de Turma da nossa aluna Rebeca. E tudo preparado em segredo!

SURPRESA!!!….

Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE        Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE

 

 

 

Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE

Foi uma manhã maravilhosa, de festa, de cumplicidades, mas principalmente de muita alegria e amizade!

Professores e alunos visitam a Rebeca no HDE

Obrigada Educadora Isabel, por teres registado este momento!

Ufa! Chegámos ao fim!

Resta-nos desejar a todos um Excelente Ano de 2019!!! E para continuarmos em festa, aqui fica o som das nossas “vuvuzelas caseiras”!

Património produzido, património divertido

Basquetebol em TeleAula

Por videoconferência com o Clube de Educação Tecnológica da Escola Básica Integrada da Bobadela, construímos uma tabela de basquetebol.

Alunos em TeleAula

Alunos e professoras constroem tabela de basquete

Alunos em TeleAula

Pormenor de construção da tabela de basquete

Pormenor de construção da tabela de basquete
No final, registou-se em vídeo a alegria dos 3 pontos.
E agora, um desafio ao IPOLFG: Que tal encestarmos ao desafio?

Houve ainda tempo nesta TeleAula para uma atividade bónus: um desafio matemático.


Qual o vosso resultado? A nossa aluna Vera já o resolveu… e bem! Está de parabéns!

Let’s Play Colours para a HOPE

O congresso anual da associação sem fins lucrativos HOPE (Hospital Organisation of Pedagogues in Europe) vai este ano ter lugar na Polónia. Através da plataforma eTwinning recebemos um convite para um projeto que desafia os nossos alunos a prepararem trabalhos para serem expostos no congresso, usando apenas as cores azul, verde e vermelha.
Os trabalhos já seguiram por correio.

O Almada voltou

O serviço de educação da Fundação Calouste Gulbenkian voltou ao nosso convívio e trouxe novamente consigo o convidado José de Almada Negreiros.

À luz do que tinha acontecido na primeira sessão desta oficina, também desta  resultou um um vídeo iluminado.

Agradecemos a todos a colaboração. Sem ela, este património não se constituiria nem seria tão divertido.