Comunicar como deve ser

O currículo continua a ser o centro das nossas atenções e motivo de grande azáfama.
Uma aluna do 10º ano de escolaridade teve apoio escolar durante o primeiro período e, na disciplina de Português, redigiu vários textos, sendo de salientar o Passatempo do povo, a propósito do cartoon de Norman Rockwell, que a seguir apresentamos.
Cartoon com várias pessoas a comunicar entre si numa cadeia de mensagens que chegam ao primeiro emissor como uma ofensa à sua pessoa.

Passatempo do povo

Independentemente da hora, do dia, do mês ou do ano, uma das únicas coisas que alimentam as conversas são, de facto, as bisbilhotices.
Um segredo nunca é um segredo. As pessoas sentem a necessidade de partilhar. Sentem a necessidade de inventar e, muitas vezes, opinar sobre o assunto.
O que passa de boca em boca é sempre alterado. Cada um tem a sua versão. Acrescentam-se sempre detalhes ao cenário. Parece que há prazer em inventar sobre a vida dos outros e, raramente, o que é dito corresponde à verdade.
Basicamente, é o que este cartoon descreve. Representa as várias alterações que o segredo vai tendo, até se transformar num boato.
Assim que o sujeito inicial é confrontado, a mentira que lhe é dita é de tal forma obscena que uma pessoa acaba por ficar chocada.
Em todas as coscuvilhices há apenas uma ponta de veracidade, pois o resto é tudo treta.

A mesma aluna recebeu dos seus colegas e da sua professora de Espanhol um vídeo onde todos se apresentaram em castelhano. Além disso, ainda foram explicados alguns conteúdos letivos da disciplina para que se tornasse mais fácil a sua aprendizagem.

A aluna observa com atenção o vídeo onde uma das suas colegas se apresenta.

Entretanto, como o Natal está mesmo a bater à porta, revelamos um pouco dos presentes que estamos a fazer para oferecer aos vários departamentos.

As mãos de uma aluna a moldar uma massa branca.

A mão de aluna a pintar uma bola pequena branca.

Um conjunto de latas redondas pequenas, uma fita branca de trapilho e duas figuras dentro de uma das caixas. Alguém descobre o que estamos a fazer? Em janeiro iremos revelar o trabalho completo.
Desejamos a todos festas felizes. Esta é a nossa árvore de Natal.

Troncos de uma árvore verdadeira e bolas vermelhas em alguns dos ramos.

Diz-me o teu sonho, dir-te-ei quem és

O livro aberto em cima de uma secretária com materiais de trabalho como papel de cartolinas, canetas, barco origami, um livro nuvem.

No primeiro dia de aulas, nada melhor do que falarmos sobre os nossos sonhos para nos conhecermos melhor uns aos outros.

A partir da leitura do livro Sonho com asas, com texto de Teresa Marques e ilustrações de Fátima Afonso, da editora Kalandraka, percorremos o mundo de uma rapariga que sonhava viajar, sinónimo de voar, de ir, de céu e de azul.

E, para viajar, percebemos que a curiosidade, o sonho, o dançar, o cantar e a coragem são já metade do caminho.

Contámos os nossos sonhos, todos eles diferentes uns dos outros, mas em tudo iguais, por fazerem parte da nossa vontade, do nosso querer mais profundo e, às vezes, tão guardado em segredo como se de um tesouro se tratasse. Sim, os nossos sonhos são verdadeiros tesouros!

O meu sonho é… um gelado; voltar a andar; voltar à Guiné, a terra onde nasci; ser uma grande futebolista e uma cantora conhecida; voltar a ser independente; acabar com o mal no mundo; não haver doença no mundo; ter outro cão, porque já tenho dois; saber aproveitar a vida; ultrapassar todas as dificuldades; dar a volta ao mundo.

Cada um de nós está a construir um livro com a forma de uma nuvem e vai desenhar, escrever palavras e frases que documentem estes sonhos.

O livro aberto em cima de uma secretária com materiais de trabalho como papel de cartolinas, canetas, barco origami, um livro nuvem.

Um livro nuvem aberto onde se encontra escrita a frase: Diz-me o teu sonho!

A professora segura o livro da história aberto numa página onde se veem pássaros a voar.

Os alunos e a professora constroem uma nuvem com papel de sulfito.

AS mãos de um aluno que segura o seu livro nuvem e o constrói com um cordel, papel e tesoura.

As mãos de uma aluna a escrever no seu livro nuvem.

A todos, desejamos um bom ano letivo!